Financiamentos imobiliários com juros reduzidos

Impulsionados pela queda da taxa básica de juros (Selic), grande bancos privados brasileiros e a Caixa Econômica Federal reduziram suas taxas de juros anuais para financiamentos imobiliários.

Em setembro deste ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central cortou a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, diminuindo-a de 6% para 5,5%. Posteriormente, no final de outubro, houve uma nova redução e a taxa foi a 5%. Porcentagem atual. A taxa Selic é utilizada como referência para outras taxas de juros (financiamentos) praticadas no Brasil.

O grande objetivo da taxa Selic é controlar a inflação do país. Grosso modo, o Banco Central aumenta o juros para tentar diminuir o consumo e pressionar a queda dos preços dos produtos, ou seja, quando a inflação está baixa, o contrário acontece e o Banco central diminui a taxa de juros, visando aquecer o consumo.

Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação medida nos últimos 12 meses (de setembro de 2018 a setembro de 2019) foi de 2,89%, dentro da meta estipulada pelo Governo no ano, que é de 4,25%. Por isso, a redução da taxa Selic agora.

Corrida dos bancos

Na esteira da redução da taxa Selic, os dois principais bancos privados do Brasil e a Caixa Econômica Federal diminuíram suas taxas mínimas de juros para financiamentos imobiliários.

Taxa de juros do Itaú

No dia 1º de outubro, o Itaú diminuiu sua taxa mínima para financiamentos de imóveis de 8,1% ao ano + TR para 7,45% ao ano + taxa referencial (TR). A TR está zerada desde setembro de 2017.

O cliente pode financiar até 82% do imóvel residencial e tem prazo máximo de 360 dias para quitar o empréstimo.

Para simular o valor do seu crédito imobiliário no Itaú, clique aqui.

A redução dos juros implementada pelo Itaú abarca dois tipos de linha de financiamento: o Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e o Sistema Financeiro Imobiliário (SFI). A linha SFH é válida para imóveis que custam até R$ 1,5 milhão e possibilita o uso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Por sua vez, a linha SFI financia imóveis acima de R$ 1,5 milhão e não permite o emprego do FGTS.

Taxa de juros do Bradesco

O Bradesco conseguiu para seu cliente uma taxa de juros ainda mais atrativa que a do Itaú. A tarifa mínima de sua linha de crédito imobiliário, que era de 8,2% + TR, foi para 7,3% + TR.

Até 80% do valor do imóvel residencial pode ser financiado, com prazo máximo de 360 dias para pagar.

Para simular o valor do financiamento de seu imóvel no Banco Bradesco, clique aqui.

Os juros mais baixos disponibilizados pelo Bradesco servem apenas para financiamento imobiliário por meio da linha SFH, ou seja, para imóveis com valor até R$ 1,5 milhão.

Taxa de juros da Caixa Econômica Federal

Já a Caixa Econômica Federal conseguiu reduzir sua taxa mínima anual de juros para financiamentos imobiliários de 8,5% + TR para 7,5% + TR.

A cota máxima de financiamento permitida pela Caixa Econômica também é de 80%, mas o prazo para pagamento é um pouco maior, chegando a 420 dias.

Simule o valor do seu crédito imobiliário na Caixa Econômica Federal aqui.

Assim como no Itaú, os juros mais baixos cobrados pela Caixa Econômica valem tanto para a linha SFH quanto para a linha SFI.

Taxa mínima de juros para financiamentos imobiliários

Vale destacar que a porcentagem mínima de juros para financiamento imobiliário disponibilizada pelo banco nem sempre é a obtida pelo cliente. Pois diversos critérios são considerados pela instituição a fim de aprovar o crédito na condição mais vantajosa ao cliente. Tais como:

  • perfil do cliente;
  • histórico de relacionamento;
  • valor da propriedade;
  • percentual financiado;
  • prazo de financiamento;
  • renda familiar

Não obstante, a taxa de juros não é o único aspecto que o cliente deve levar em conta na hora de escolher o banco no qual irá buscar o financiamento. Há outros custos que interferem na amortização da dívida junto a instituição e que podem tornar a negociação mais ou menos atrativa. Tão importante são a taxa administrativa e o valor do seguro.

Cada banco tem sua própria taxa administrativa, que nem sempre é mostrada em uma simulação simples. Por isso, a necessidade de pesquisar mais a fundo e requerer propostas mais detalhadas.

By | 2019-11-04T13:58:20+00:00 4 de novembro de 2019|Economia, Financiamento, Mercado imobiliario|

Deixar Um Comentário

error: Conteúdo protegido por direitos autorais.